Vivo, Raízen e Ericsson anunciam startups selecionadas para impulsionar a transformação digital do agronegócio

Vivo, Raízen e Ericsson, por meio da Wayra e do Pulse, e em parceria com a EsalqTec, selecionaram as startups que irão participar do Agro IoT Lab 2018 - programa de desenvolvimento de aplicações para o campo com foco em Internet das Coisas (IoT).  A iniciativa une empresas e setores fundamentais para acelerar a transformação digital no agronegócio.  

Os projetos selecionados têm foco no desenvolvimento de serviços e aplicações em soluções de IoT e M2M para telemetria e gerenciamento remoto; controle de incêndio em autopropelidos; telemetria e mineração de dados de maquinário agrícola; soluções de IoT para o agronegócio; gestão e monitoramento de maquinário agrícola; plataforma inteligente para produtores e frigoríficos.

No programa, a Vivo levará a sua rede móvel 4G para o campo, utilizando a frequência de 450Mhz; a Ericsson é a parceira da Vivo para instalação dessa rede 4G, além de agilizar a integração das startups à rede através de sua plataforma IoT Accelerator; e a Raízen oferecerá expertise, infraestrutura agrícola e o acesso aos canaviais.

A utilização da frequência de 450 Mhz, que se propaga a uma longa distância, permite que a Vivo tenha a chance de resolver os problemas de conectividade nas fazendas e zonas rurais com extensões territoriais altas, que precisam de cobertura. As startups selecionadas dentro do programa são peças fundamentais neste processo, com desenvolvimento de soluções e serviços que ajudarão a mitigar os problemas de conexão no campo.

“Em 140 anos de história e quase 95 de operação da Ericsson no Brasil, mantemos o compromisso de contribuir para o fortalecimento de um mundo inteligente, sustentável e conectado, fornecendo tecnologias inovadoras escaláveis e de fácil adoção. Vemos nesse projeto com as startups uma oportunidade ímpar de unir esforços e as diferentes experiências de cada parceiro para, juntos, acelerar a digitalização do mercado agro brasileiro e alavancar os negócios do setor no País”, diz Vinícius Dalben, Vice-Presidente de Estratégia da Ericsson no Brasil.

Segundo Fábio Mota, Vice-Presidente do Centro de Serviços Compartilhados e Head do Pulse. “A entrada dessas novas startups ao Pulse reforça sua posição como hub para oxigenação de novas ideias. Esses novos membros terão acesso a uma rede de mentores da Raízen e a potencial de realização de testes e provas de campo nas lavouras e unidades da companhia. Além disso, serão conectados com outros atores do ecossistema de inovação para que juntos possam trabalhar em novas soluções que visam resolver os problemas cotidianos de conectividade rural e apoiar a evolução tecnológica nacional de forma assertiva”.

Os seis projetos selecionados terão acesso ao espaço compartilhado do Pulse, localizado em Piracicaba, e a toda a sua infraestrutura de mentoria, workshops, networking, treinamentos aplicados ao agronegócio, além de terem a possibilidade de participar do ecossistema da Wayra – hub de inovação aberta da Vivo – com possibilidade de receberem investimentos no futuro. A EsalqTec auxiliará os selecionados na facilitação acadêmica das tecnologias.

Conheça as startups que participarão do programa:

Ativa: Soluções de IoT e M2M para telemetria e gerenciamento remoto, como em estações meteorológicas e controles de irrigação.

Seive: Proteção contra incêndio em autopropelidos, ou seja, maquinários agrícolas através de sensores.

IoTag: Sistema de telemetria em nuvem, que controla um dispositivo de mineração de dados embarcado em maquinário agrícola. Auxilia a operação do maquinário com dados de rendimento, consumo e percurso.

Trace Pack: Soluções de IoT e rastreamento de produtos de alto valor agregado para o agronegócio com completa gestão de estoque e oferta de maior segurança e eficiência logística para clientes.

Agriconnected: Gestão e monitoramento de maquinário agrícola em tempo real através de inteligência artificial e dispositivo instalado nas máquinas.

@Tech: Plataforma que integra dados dos diversos dispositivos para auxiliar na gestão do pecuarista e indicação do momento ótimo de negociação do gado.

Sobre a Raízen

A Raízen é uma empresa integrada de energia que atua em todas as etapas do processo, desde o cultivo da cana, com a produção de açúcar, etanol e bioenergia, até a comercialização, logística e distribuição de combustíveis, tão essenciais no dia a dia das pessoas e dos negócios. Conta com um time de cerca de 29 mil funcionários, que trabalha todos os dias para crescer junto com a companhia e gerar soluções sustentáveis que contribuam para o desenvolvimento do país, como a produção de bioeletricidade e etanol de segunda geração a partir do bagaço da cana.

No Brasil, é líder na produção de açúcar, etanol e bioenergia - com 860 mil hectares de áreas agrícolas cultivadas - e uma das maiores no setor de combustíveis, com mais de 6.400 postos da marca Shell – além de cerca de 950 lojas de conveniência Shell Select. Destaca-se como uma das empresas de energia mais competitivas do mundo e uma das maiores em faturamento no país, com R$ 86,2 bilhões na safra 17/18.

São 26 unidades de produção de açúcar, etanol e bioenergia + planta de etanol 2G que produzem cerca de 2,0 bilhões de litros de etanol por ano e 4,2 milhões de toneladas de açúcar. E conta também com uma capacidade instalada para produzir 1GW de energia elétrica a partir do bagaço da cana, com capacidade instalada de 3,9 TW/ano. Comercializa a cada ano aproximadamente 25 bilhões de litros de combustíveis para os segmentos de transporte, indústria e varejo, operando em todas as regiões do país por meio de 68 bases de abastecimento em aeroportos e 68 terminais de distribuição de combustível.

Criada há mais de 15 anos, a Fundação Raízen possui seis núcleos no interior do estado de São Paulo e um em Goiás e já beneficiou mais de 13 mil alunos e mais de 4 milhões de pessoas com ações realizadas desde 2012. Na Argentina, onde começou a atuar em 2018 com a compra dos ativos de downstream da Shell, a Raízen comercializa aproximadamente 6 bilhões de litros de combustíveis por ano, incluindo uma rede com 665 postos Shell, uma refinaria, uma planta de lubrificantes, três terminais terrestres, duas bases de abastecimento em aeroportos e ativos de GLP (Gás Liquefeito de Petróleo).